segunda-feira, 21 de abril de 2014

PROGRAMA DO MFA

A senha...

JOSÉ AFONSO - «Grândola, Vila Morena»
Grandola, Vila Morena by Jose Afonso on Grooveshark
Poet'anarquista

GRÂNDOLA, VILA MORENA

Grândola, vila morena
Terra da fraternidade
O povo é quem mais ordena
Dentro de ti, ó cidade

Dentro de ti, ó cidade
O povo é quem mais ordena
Terra da fraternidade
Grândola, vila morena

Em cada esquina, um amigo
Em cada rosto, igualdade
Grândola, vila morena
Terra da fraternidade

Terra da fraternidade
Grândola, vila morena
Em cada rosto, igualdade
O povo é quem mais ordena

À sombra duma azinheira
Que já não sabia a idade
Jurei ter por companheira
Grândola, a tua vontade

Grândola a tua vontade
Jurei ter por companheira
À sombra duma azinheira
Que já não sabia a idade

José Afonso

PROGRAMA DO MFA
10 de Setembro de 1975

«A Poesia Está na Rua»
Maria Helena Vieira da Silva

MOTE

São Cravos Senhor são Cravos
que vislumbro com desgosto...
tornaram-nos um POVO escravo,
caem lágrimas em tanto rosto!

Uma Alandroalense (L...)

Glosas

Eis que vos trago floridos
Cravos vermelhos de Abril,
Regados com águas mil
P’ra não serem esquecidos.
Libertaram-se os oprimidos
Prisioneiros feitos escravos,
Por um Movimento de bravos
Conquistaram-se as liberdades...
Nos campos, vilas e cidades
São cravos, senhor são cravos!

Os Ideais estavam traçados
Para a revolução se cumprir,
E os cravos poderem florir
Nos corações esperançados.
Mas vampiros esfomeados
Aos poucos, deixam Abril exposto,
Esse sonho lindo quase morto
Ninguém mais o quis comandar...
É uma Primavera a murchar
Que vislumbro com desgosto!

Começam então por atraiçoar
Princípios sagrados da revolução,
O sofrimento de uma nação
Quarenta e oito anos a penar.
Abril acaba assim a asfixiar
 Do saque até ao último centavo,
Portugal sem um único chavo
Resolve vender-se à TROIKA...
Está cozinhada a paparoca
Tornaram-nos um povo escravo!

As conquistas fundamentais
Que se julgavam garantidas,
Depressa foram esquecidas
Por governantes irracionais.
Vários danos colaterais
Sempre em sentido oposto,
Aos ideais d’um Abril justo
Acabaram por nos tramar...
Vejo um povo a sufocar
Caem lágrimas em tanto rosto!

Matias José

DULCE PONTES - «O Amor a Portugal»
Poet'anarquista

O AMOR A PORTUGAL

O dia há de nascer
Rasgar a escuridão
Fazer o sonho amanhecer
Ao som da canção

E então:

O amor há de vencer
A alma libertar
Mil fogos ardem sem se ver
Na luz do nosso olhar
Na luz do nosso olhar

Um dia há de se ouvir
O cântico final
Porque afinal falta cumprir
O amor a Portugal
O amor a Portugal!

Dulce Pontes

Sem comentários: