segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

«SONETO ÍNTIMO», POR MATIAS JOSÉ

«Soneto Íntimo»
Matias José

SONETO ÍNTIMO

Vês!... ninguém aqui quer saber demais,
De tanta sabedoria, tamanho infinita…
A ingratidão que vai ditando essa desdita,
Perde-se afinal, em tempos imemoriais!

Habitua-te, porque mal, inda te espera…
O Sábio neste mundo tão desprezível
Enfrenta a besta que dizem ser temível
 Quando em Março brotar Primavera;

Bebe então o sangue, de um jorro só!…
As cinzas ao vento misturadas no pó
Sobre as pedras da velha sepultura,

E tudo mais que o corpo for capaz…
Inerte, sossega numa estranha paz
Que teimosamente ainda perdura!!

Matias José

1 comentário:

Anónimo disse...


Silenciosamente, porque este
Belíssimo Soneto, emoldurado
pela Excelente Fotografia,dispensa
palavras!...

Muito Grata

Uma Alandroalense (L...)