quarta-feira, 13 de março de 2013

MÚSICAS DO MUNDO

E  a música de hoje é...

GENESIS - «The Carpet Crawlers»

Poet'anarquista


OS RASTEJANTES DO TAPETE

Há lã debaixo de meus pés descalços.
A lã é suave e quente
-Dá um tipo de calor.
Uma lagarta corre para dentro da chama
Para ser destruída
Criaturas imaginárias são apanhadas
Nascendo em celulóides.
As pulgas agarram-se à lã dourada
Crentes de que encontrarão paz.

Cada pensamento e gesto
São pegos em celulóides
Não há esconderijo em minha memória
Não há nenhum quarto para desocupar
Os rastejantes cobrem o chão
Do corredor vermelho ocre.
Pela minha intuição das pessoas
Elas têm mais alma que antes.

Eles estão se movendo no tempo
Para uma porta pesada de madeira
Onde o olho da agulha está piscando
Focando os miseráveis.
Os rastejantes do tapete atendem seus invocadores:
"Nós temos que entrar para sair
Nós temos que entrar para sair".

Há só uma direção nos rostos que eu vejo
É lá em cima no teto
Onde é dito que as câmaras estão.
Como a luta na floresta pela luz do sol
Que leva raiz em cada árvore
Eles são puxados pelo imã
Acreditando que estão livres
Os rastejantes do tapete atendem seus invocadores:
"Nós temos que entrar para sair
Nós temos que entrar para sair".

Super-homens amavelmente educados
Estão presos em criptonita
E as sábias e tolas virgens
Riem à toa com seus corpos ardentes brilhantes.
Por uma porta, um grande banquete
É iluminado por luz de vela
É o fundo de uma escada
Que espirala até onde não se enxerga mais.
Os rastejantes do tapete atendem seus invocadores:
"Nós temos que entrar para sair
Nós temos que entrar para sair".

O manequim de porcelana
De pele rachada teme o ataque
O bando ávido levanta os seus cântaros
Levam tudo que necessitam.
O líquido congelou
O qual vazou pela rachadura
E o gozador fisga seu esgana-gata (1)
Os rastejantes do tapete atendem seus invocadores:
"Nós temos que entrar para sair
Nós temos que entrar para sair".

Genesis

(1) Stickleback = (Gasterosteus aculeatus). Espécie de peixe, em português denominado "esgana-gata".

«The Lamb Lies Down On Broadway»
Genesis

TAPETE RASTEJANTE

Está alguém detrás dessa porta,
Ouvem-se ruídos estranhos;
A porta range ao se abrir...
Do outro lado uma criatura à solta!
Vagueio sem destino os caminhos
Pelo corredor perdido, não posso sair;
Dou comigo na sala 30, deserta,
Nas quatro paredes há desenhos
Que fixamente teimam sorrir,
Um sorriso que ninguém nota.
-«Não estamos sozinhos!»…
Diz uma voz que se faz ouvir
Com seu grito de revolta!
Na sala 30 formam-se sonhos…
Tenho pouco tempo para fugir,
Tapete rastejante traz-me de volta!!

Matias José

3 comentários:

Anónimo disse...

Sons de outro tempo que não voltam mais. Música a sério e excelente publicação a terminar com poema muito a propósito. Grande nível este poet'anarquista!

Anónimo disse...


14/3/2013

Caro Amigo e Conterrâneo Kabé:

Que a sua Vida seja repleta de Emoções, Alegrias, Conquistas e Muita Saúde !
FELIZ ANIVERSÁRIO !!!

Um Abraço para Si e Toda a Famíla !

Uma Alandroalense (L...)

Camões disse...

Muito obrigado conterrânea e amiga (L...)!

Cumprimentos para todos,

Kabé