terça-feira, 18 de setembro de 2012

ILUSTRAÇÃO E PINTURA - HELIOS GOMEZ

Helios Gómez Rodríguez, conhecido popularmente como o «homem da gravata vermelha», nasceu em Sevilha, a 19 de Setembro de 1905. Sindicalista, anarquista e anti-franquista, foi também um excelente pintor, desenhador de cartazes e poeta espanhol. Representante do movimento vanguardista dos princípios do séc. XX, conheceu artistas como Luis Buñuel, Salvador Dalí e Federico García Lorca de quem veio a ter muitas influências artísticas. Helios Gómez,  de origem cigana, faleceu em Barcelona em 1956.
Poet'anarquista
Helios Gómez
Artista Espanhol

«Auto-Retrato»
Helios Gómez
SOBRE O ARTISTA...

Hélios Gómez, nascido em Sevilha em 1905, no bairro de Triana, decorador profissional que aprendeu o ofício na fábrica de cerâmica sevilhana Cartuja, estudou ao mesmo tempo na Escola Industrial de Artes e Ofícios em Sevilha. Os seus primeiros trabalhos publicados no jornal anarquista «Páginas Livres» foram ilustrações para escritores como Rafael Sevilla e Alaiz Philip Laffon. Em 1925 expôs pela primeira vez no Kursaal, na capital da Andaluzia, e um ano mais tarde, no Ateneo de Madrid e na Galeria Dalmau, em Barcelona. 

Firmemente convencido da necessidade de mudança política, adere a grupos anarquistas e, desde o início, decide falar, pintar e escrever com base no mesmo princípio, de acordo com a sua opção política. Nas palavras de Jean Cassou «um artista revolucionário e revolucionário como um artista». Em 1927 é forçado a deixar a Espanha por motivos políticos e exilado para Paris, seguindo mais tarde para Bruxelas. 

A participação em actos de protesto contra a execução de Sacco e Vanzetti, instala-se em Bruxelas, onde expôs obras como decorador e ilustra o trabalho de Max Deauville «Rien qu'un homme». Em 1928 viaja para Amsterdão, Viena, Berlim, e por dois meses na União Soviética. 

Em 1929, em Berlim, colabora em algumas publicações como o «Berliner Tageblatt» e continua a formação em tipografia e interiores. No início dos anos 1930, a Organização Internacional do Trabalho Association (TIA), em Berlim, publicou o seu primeiro álbum «Dia de Ira» . Seguindo a ditadura de Primo de Rivera, final dos anos 1930, Hélio regressa a Espanha estabelecendo-se em Barcelona, ​​onde trabalhou em diversas revistas republicanas e comunistas como L'Opinio, La Rambla, La Batalla, L'Hour , Bolívar e Nova Espanha e realiza coberturas e ilustrações de livros, principalmente para corpos deixados. É o ano em que publicou o manifesto do anarquismo), que seria removido logo em seguida. 

Em 1931 entrou para o PCE trabalhando como ilustrador para o «Mundial dos Trabalhadores». Detido em Madrid, em 1932, devido às suas actividades políticas, foi preso e levado para a prisão de Jaén. Sai em liberdade condicional e ruma novamente a Bruxelas. Publica Borinage, um desenho Drapeau Rouge, antes de seguir para a URSS em outubro, a convite do VOKS para participar como representante espanhol no Congresso Internacional de Artistas Proletários. Reside no país até Fevereiro de 1934, vive em Moscovo, Leningrado e Sibéria e viaja ao Museu Pushkin, em 1933, e é a Editora Arte Estado que lança o seu segundo álbum, «Revolução Espanhola» . O seu trabalho deixa elementos abstratos de um realismo impressionante, legível e forte conteúdo social, longe do realismo socialista que sempre criticou. Regressa a Barcelona, ​​na Primavera de 1934, mas é preso novamente no Outono, no contexto dos trabalhadores em revolta na Catalunha e, uma vez libertado, regressa a Bruxelas onde publica no início de 1936, no seu terceiro álbum sobre os acontecimentos de 1934, «Ao Vivo Outubro» . 

Em 1935, fundou com outros artistas em Barcelona «Els Sis Grupo» e, em 1936, na organização de esquerda «União dos Ilustradores Profissionais», cria o cartaz de militante durante a guerra, com a produção intensiva de cartazes anarquistas e republicanos. Parte também para numerosas publicações e imagens em tintas sobre a guerra. No início dos combates da Guerra Civil, nas barricadas pela defesa de Barcelona, adere à «Aliança d'Intel · lectuals Antifeixistes de Catalunya». Nomeado Comissário Político da UGT, organiza a «Coluna Casanellas Ramon», embarca com a expedição para libertar Bayo Ibiza e Mallorca e está envolvido nas frentes de Aragão, Madrid e Andaluzia. Miliciano de Cultura da 26ª Divisão, é responsável para o cabeçalho e layout do jornal da frente, bem como a organização da homenagem «Mostra de Durruti», em Barcelona. 

Perdeu a guerra, refugiou-se na França, onde foi internado nos campos de concentração Argeles-sur-mer, Bram, Vernet d'Ariège e Djelfa (Argélia), entre Fevereiro de 1939 e maio de 1942. 

Em 1942 regressou a Barcelona, ​​criando o efémero grupo «LNR» (Republicano de Libertação Nacional) e da Casa da Andaluzia. Em 1948 realizou uma exposição na Galeria dos Arnaiz com obras surrealistas e nos seus últimos anos fez murais decorativos, como o «Jazz Colombo» e «Residence San Jaime de Barcelona».Entre 1945-46 e 1948-54 é preso e encarcerado na prisão Modelo de Barcelona, ​​onde pintou uma capela conhecida como «La Capilla Gitana» e compõe um corpus poético. 

Apesar da ordem de libertação, assinada em 1950, é mantido prisioneiro 4 anos e morre dois anos depois, em Barcelona, ​​em 1956. 
Fonte: www.heliosgomez.com

«A Luta Camponesa»
Helios Gómez

«Aliança Operária»
Helios Gómez

«Monarquias»
Helios Gómez

«A Revolução de Outubro»
Helios Gómez

«Desesperação de Mãe»
Helios Gómez

«Senhora em Siena»
Helios Gómez 

«Madonna e o Menino»
Helios Gómez

«A Capela Cigana»
Helios Gómez

«Imagem Perturbadora»
Helios Gómez 

VANGUARDA

HELIOS GÓMEZ


1 comentário:

Anónimo disse...

Interessantíssima publicação! É reconfortante visitar esta página. Muitos parabéns pelo seu trabalho!