terça-feira, 13 de dezembro de 2011

«13 DE DEZ. 2009 ** 13 DE DEZ. 2011»

Faz hoje, 13 de Dezembro de 2011, dois anos sobre as duas primeiras publicações no Poet'anarquista, um espaço de cultura e partilha das artes, com especial destaque para a literatura, pintura, escultura e música. Um poema de Matias José com o título «Breve» e a pintura «Fluir da Alma» de João Paulo Galhardas, davam início a uma nova página com publicação diária na internet. Espero de alguma forma contribuir para o enriquecimento cultural de todos os «Amigos d'Arte» que visitam regularmente o Poet'anarquista, estando aberto a sugestões para novas rubricas de cultura e divulgação de eventos culturais, sempre que as mesmas se enquadrem nos conteúdos por mim estabelecidos para este blogue.

Vivam as Artes! 

E tudo começou assim no dia 13 de Dezembro de 2009...
Poet'anarquista
«Fluir da Alma»
JPGalhardas

BREVE

Tudo  é  tão  breve 
Neste  espaço  de  tempo, 
Tudo  tão  fugaz... 
E  nem  um  lamento, 
Um  sinal  de  paz! 
Tudo  tão  leve 
Como  o  instante 
Em  que  se  crê, 
Tudo  ser  capaz!

Matias José

5 comentários:

Anónimo disse...

13/12/2011


Poet'anarquista hoje Felicito,
pelos dois anos de existência;
É, sem dúvida, o meu FAVORITO,
Blogue Modelo, por EXCELÊNCIA!


Uma Alandroalense (L...)

Camões disse...

Cara conterrânea (L...)

O seu comentário entrou mesmo na altura em que me preparava para publicar as duas primeiras rubricas do Poet'anarquista, datadas de 13 de Dezembro de 2009.

Muito grato pela sua quadra, pela lembrança desta data e principalmente pela sua companhia assídua.

Eu que facilmente me comovo... desta vez também não foi excepção.

Atenta à publicação de 14 de Dezembro de 2011 sobre pintor argentino... simplesmente fantástico!

Para si, tudo de bom que a vida contém!!

Um beijo...

Kabé

xpto disse...

Que prossigas por muitos anos e que nunca te falte saber e pesquisa para levares à nossa terra este pedaço de cultura.
Um abraço
FORÇA AMIGO
Chico Manel

Anónimo disse...

Parabéns. O responsável do blogue está a atingir os objectivos que pretendia alcançar. Importa, pois, continuar.

Mas eu também tenho uma novidade!
Digo novidade porque acho que nunca falei deste assunto.

Em 1990, quando o professor Manuel Calado começou a fazer o levantamento no terreno dos trabalhos que culminariam com a publicação da Carta Arqueológica do Alandroal, tive o grato prazer de almoçar, na taberna do "Zé Unta", Mina do Bugalho, com a equipa que o acompanhou.
Um dos elementos da equipa, como todos sabemos, era o JPGalhardas que, durante o almoço, e durante os momentos de lérias que se seguiram, fez, num canto do papel que cobria a mesa, um magnífico desenho de uma Anta ( com um luminoso Sol em fundo ).

No fim do almoço, quando cada um de nós tinha que voltar para as respectivas obrigações, ofereceu-me o desenho. Com os contornos irregulares, exactamente como ele o rasgou.

- Desenho que mandei emoldurar e que hoje dá luz ao espaço em que escrevo estas linhas -

Aqui fica assinalada esta atitude.

O.W. Calabrese

Anónimo disse...

Caro Conterrâneo KABÉ:

Muitíssimo Obrigada pelo Seu tão AFÁVEL COMENTÁRIO!!!

Que a "Nossa Senhora da Conceição" o acompanhe em todos os passos da Sua Vida, e que consiga sempre concretizar todos os Seus Sonhos!!!

Uma Alandroalense (L...)