segunda-feira, 12 de setembro de 2011

STEVE BIKO - VÍTIMA DO APARTHEID

Bantu Steve Biko, mais conhecido por Biko, nasceu em King William na África do Sul, a 18 de Dezembro de 1946 e foi um importante activista do movimento anti-apartheid da África do Sul, nos anos sessenta. Em 18 de Agosto de 1977 foi preso e acusado de desobedecer às leis do apartheid. Biko foi brutalmente agredido e torturado na prisão de Port Elizabeth por cinco polícias, o que lhe provocou uma grave hemorragia cerebral. A 11 de Setembro foi transportado para a prisão central de Pretória, onde viria a falecer no dia 12 de Setembro de 1977 apenas com 30 anos de idade, por não resistir aos graves ferimentos causados pelo espancamento policial.
Faz hoje precisamente 34 anos que foi assassinado... «Por que Biko?»
Poet'anarquista
Steve Biko
Activista Anti-Apartheid

«Steve Biko»
Noel Hodnett
BIOGRAFIA

Biko foi assassinado há 34 anos. A 12 de Setembro de 1977, Bantu Steve Biko morreu em consequência de bárbaras torturas da polícia sul africana, do regime de apartheid. Biko era um jovem activista negro — morreu com 30 anos — lutador contra o apartheid, dirigente estudantil e fundador do Movimento Consciência Negra.

Biko, que dizia que «a arma mais poderosa nas mãos do opressor é a mente do oprimido», foi um defensor dos negros e da sua independência, face aos liberais brancos, na luta contra o apartheid na África do Sul.

Nelson Mandela em 1997, no elogio a Steve Biko, afirmou: «Um dos grandes legados da luta que Biko travou — e pela qual morreu — foi a explosão do orgulho entre as vítimas do apartheid».

A morte de Biko foi largamente denunciada no mundo, ampliando e elevando o combate ao regime do apartheid na África do Sul. 

Bantu Steve Biko nasceu na cidade de King William em 18 de Dezembro de 1946. Estudou medicina na Universidade de Natal e tornou-se um activista estudantil. Em 1968, com outros companheiros de luta fundou a SASO ( South African Students' Organisation — Organização dos Estudantes Sul Africanos) rompendo com a NUSAS (National Union of South African Students — União Nacional dos Estudantes Sul Africanos), defendendo uma intervenção mais radical e criticando o predomínio e orientação dos liberais brancos na NUSAS. Biko, que foi o primeiro presidente da SASO, pretendia com esta organização desenvolver a participação dos negros, elevar o seu orgulho e actuar independentemente dos brancos. Para a SASO escreveu diversos documentos com o pseudónimo de Frank Talk.

Biko foi um dos fundadores do Movimento Consciência Negra, defendendo que o principal na luta contra o apartheid era a luta dos negros, a sua organização e mobilização, combatendo a dependência dos negros em relação aos liberais brancos. Em 1972 fundou a Convenção do Povo Negro (Black People's Convention) e foi eleito seu presidente honorário. Também em 72 foi expulso da Universidade e passou a trabalhar em programas para a comunidade negra (Black Community Programs — BCP), participando na construção de clínicas, creches e no apoio aos trabalhadores negros. Em Março de 1973 foi «banido» e proibido de sair da cidade de King William. «Banido» significava que não podia comunicar com mais de uma pessoa de cada vez, desde que não fosse da sua família, e não podia publicar nada, tal como os seus escritos anteriores não podiam ser divulgados ou citados. Apesar disso, dirigiu uma secção do BCP na sua cidade, mas posteriormente foi também proibido de ter quaisquer ligações com os programas da comunidade negra.

Não obstante a repressão de que era vítima, Biko criou em 1975 um fundo de apoio aos presos políticos e às suas famílias. As organizações que criou e apoiou, nomeadamente as organizações estudantis, tiveram um papel decisivo nos levantamentos do Soweto, em 1976. Biko foi perseguido e preso por diversas vezes.

Em 18 de Agosto de 1977 foi preso juntamente com o seu companheiro Peter Cyril Jones, acusados de desobedecerem às leis do apartheid. Biko foi barbaramente agredido e torturado numa prisão em Port Elizabeth o que lhe provocou uma hemorragia cerebral. A 11 de Setembro foi transportado para a prisão central de Pretória, onde morreu a 12 de Setembro. O governo do apartheid primeiro afirmou que ele tinha morrido devido a uma greve de fome, posteriormente perante a gravidade visível das lesões na cabeça, afirmaram que se tentou suicidar, batendo com a cabeça.

A Comissão de Verdade e Reconciliação criada após o fim do apartheid, não perdoou aos seus assassinos. Mas, em Outubro de 2003, o Ministério Público da África do Sul anunciou que os cinco polícias acusados do crime não seriam processados por falta de provas, alegando que faltavam testemunhas que provassem a acusação e considerando ainda que a possibilidade de acusação pelo crime de lesões corporais já tinha caducado. A morte de Biko foi largamente noticiada internacionalmente pelo grande prestígio que granjeara, o seu funeral foi acompanhado por milhares de pessoas, estando inclusivamente presentes diversos embaixadores estrangeiros.

O assassinato de Biko tornou-se um símbolo da brutalidade do regime do apartheid. A sua vida, luta e morte tornaram-se amplamente conhecidos pelo trabalho desenvolvido por Donald Woods, um seu amigo jornalista branco, que fotografou o seu cadáver com os ferimentos e um ano depois publicou um livro, «Biko», descrevendo a sua vida e morte.

Em 1980, Peter Gabriel editou um álbum que incluía a canção «Biko», que se tornou um hino mundial contra o apartheid e que foi posteriormente cantada por outros artistas, como por exemplo Joan Baez. Em 1987, Richard Attenborough realizou o filme Cry Freedom (Grito de Liberdade) sobre a vida de Biko e no qual a música de Peter Gabriel foi incluída na banda sonora, Em 1997, no vigésimo aniversário da sua morte, Nelson Mandela fez o seu elogio e inaugurou uma estátua em sua memória. Actualmente existe na África do Sul a Fundação Steve Biko (http://www.sbf.org.za/) que é presidida pelo seu filho Nkosinati Biko.
Fonte: Move Brasil
«BIKO»
PETER GABRIEL

«BIKO»

Setembro de 1977,
Clima agradável no Porto Elizabeth...
A rotina era a mesma
Na sala policial 619.

Oh, Biko, Biko, Por que Biko?
Oh, Biko, Biko, Por que Biko?
Yihla Moja, Yihla Moja - O homem está morto.

Quando tento dormir à noite
Meus sonhos são vermelhos...
Lá fora o mundo é negro e branco
Com apenas uma cor morta.

Oh, Biko, Biko, Por que Biko?
Oh, Biko, Biko, Por que Biko?
Yihla Moja, Yihla Moja - O homem está morto.

Tu podes assoprar uma chama,
Mas não podes fazê-lo com uma fogueira...
Uma vez que as fagulhas incendeiam algo,
O vento as tornará maiores.

Oh, Biko, Biko, Por que Biko?
Oh, Biko, Biko, Por que Biko?
Yihla Moja, Yihla Moja - O homem está morto.

E os olhos do mundo agora estão vigilantes.

Peter Gabriel

2 comentários:

Rogério Pereira disse...

Boa lembrança
Bom post
e a memória de que uma canção faz mais que mil discursos (mas não os substitui...)

Eduardo Santos disse...

Choro de tristeza em imaginar que as diferenças raciais chegam a esse extremo, não existiu época pior que a escravidão , pior que o holocausto, e sempre existiram homens , heróis , martir etc. que sempre lutaram por ideais e igualdade em nosso mundo , parabens BIKO, hoje estarás novamente em minhas orações, Eduardo Turibio...